Cadeias de Custóias e Santa Cruz agitadas

Evasão e suicídio

 

Duas ocorrências marcaram a vida de dois estabelecimentos prisionais do concelho. Custóias e Santa Cruz vivem agitação.

 

Na madrugada de quinta para sexta feira da passada semana, a cadeia de Custóias foi palco que uma tentativa de evasão por cinco reclusos ali presos. Eram cerca das 23 horas e 30 minutos quando os cinco reclusos foram apanhados já a subir para a pista que dá acesso ao muro que os conduziria ao exterior.

 

Os indivíduos encontravam-se presos numa camarata disciplinar do Pavilhão D, da qual se evadiram. Ao que tudo indica, forçaram as grades de uma janela e fugiram para o recreio. No entanto, não foram longe. Um dos guardas que se encontrava numa das torres de vigia apercebeu-se da situação e deu o alarme. Os reclusos foram de imediato cercados e conduzidos de novo ao interior do Pavilhão D.

 

Com eles, na mesma camarata, estavam mais reclusos que, no entanto, não arriscaram a fuga. Aos fugitivos foram impostas regras restritivas que se vieram juntar ao castigo que já cumpriam.

 

Uma tentativa gorada de fuga que, caso os prisioneiros conseguissem escalar o muro sem serem vistos, poderia ser coroada de sucesso. No entanto, o elevado número de guardas prisionais em serviço naquele estabelecimento prisional terá sido decisivo para este desfecho. Tudo resultado de um reforço da segurança que vem sendo aplicada na Cadeia de Custóias. De realçar que, desde 2001, este estabelecimento prisional dispõe, por exemplo, detectores de metais e máquinas de raio-X na zona reservada às visitas. A colocação de vidros à prova de bala foi outra das medidas de segurança aplicada.

 

Enforcamento em Santa Cruz

 

Já em Santa Cruz do Bispo, o caso acabou por ter proporções mais graves uma vez que resultou na perda de uma vida. O homem, de 32 anos, encontrava-se a cumprir uma pena de prisão de oito anos. E já não era a primeira vez que fazia uma tentativa de terminar com a própria vida. Dias antes tinha recebido alta do Hospital de Caxias por se ter tentado matar. Mas, desta vez, conseguiu os seus intentos. No sábado, o recluso terá pedido aos guardas prisionais que o deixassem ficar na cela no período matinal das visitas. Segundo ele, não estaria à espera de alguém. Este pedido foi-lhe acedido. Quando, à hora do almoço, os guardas se dirigiram à cela já o recluso estava morto. Tinha utilizado um lençol para se enforcar.

 

Segundo fonte dos Serviços Prisionais, o recluso não se encontrava bem, estando em depressão. Isto porque, ao que tudo indica, não tinha contacto algum com a família. Desgostoso, o homem terá optado por pôr fim à vida.

 

 

Por: Laura Vieira in Matosinhos Hoje edição de 11-08-04

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003