Horta à Porta vai ser uma realidade em Custóias

Cuidar espaços

 

A população vai ser chamada a cuidar dos espaços verdes através deste projecto. A Horta à Porta vai promover a agricultura biológica, bem como a utilização dos resíduos orgânicos como fertilizantes naturais. Já existem muitos interessados.

 

A primeira horta biológica do concelho vai nascer em Custóias, num terreno sito entre a Rua Teixeira Lopes e a Travessa Alto do Monte. A escolha deste local, tal como salientou Joana Felício, não foi feita ao acaso. É que, tal como a Vereadora do Ambiente explicou na última reunião de Câmara, o local é erradamente usado pelos cidadãos para o depósito de lixos vários.

 

Um problema que a autarquia certamente queria resolver. E nada melhor que chamar os próprios cidadãos a participar nessa alteração. "É um espaço que tem todas as condições para a prática da agricultura e que estava a ser usado como lixeira." Surge, assim, a primeira horta biológica de Matosinhos. Um projecto que a autarquia quer alargar a mais partes do concelho. O pontapé de saída é dado em Custóias.

 

São cinco mil metros quadrados de área total de intervenção. Para os interessados ficarão 32 talhões de terreno com 25 metros quadrados cada. Terrenos que, a perceber pelas inscrições recebidas na Câmara, são muito apetecidos. Foram contabilizados 120 interessados. Uma vez que não há, para já, terreno disponível para todos, a Câmara Municipal de Matosinhos optou por entregar a exploração dos ditos talhões aos interessados respeitando a sua ordem de inscrição.

 

As normas e obrigações de exploração do espaço foram recentemente aprovadas pelo Executivo Camarário no sentido de moderar a utilização das partes entregues a particulares. E uma das condições obrigatórias é a opção pela agricultura biológica. Ou seja, os químicos têm de ser mantidos bem longe. Neste sentido, para além do cultivo do terreno, este projecto inclui também outra vertente: a compostagem. Isso quer dizer que serão aproveitados os resíduos orgânicos, que são produzidos nas casas de todos nós, para se proceder à fertilização das terras. Ou seja, ao mesmo tempo que se cultivam produtos mais saudáveis, está-se a contribuir para a redução dos resíduos orgânicos domésticos. Mesmo que os agricultores não saibam fazer compostagem vão contar com a ajuda preciosa dos técnicos da Lipor e da Câmara Municipal de Matosinhos que lhes vão dar a respectiva formação.

 

Em troca do terreno disponibilizado, os cidadãos terão de, para além de assegurar que a agricultura que praticam é biológica, manter os respectivos terrenos em boas condições. E mais: os produtos cultivados são para consumo próprio. À sua disposição, os agricultores terão água para a rega das culturas e um local onde podem armazenar as ferramentas agrícolas.

 

Já com terreno disponível, muitos interessados e as regras de exploração definidas, a Câmara Municipal de Matosinhos espera arrancar já este mês com este projecto inovador que envolve os cidadãos na resolução e manutenção dos espaços públicos.

 

 

Por: Laura Vieira in Matosinhos Hoje edição de 04-10-06

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003