“Em Matosinhos não se pode fazer demagogia/mentir.”

Dito por Narciso Miranda num debate na Escola Secundária do Padrão da Légua

 

Na passada quarta-feira, dia 3 de Março do presente ano, Narciso Miranda deslocou-se à Escola do Padrão da Légua com alguns membros da sua equipa, incluindo a Dra. Luísa Salgueiro (vereadora do Pelouro da Juventude e também possuidora da Pasta da Acção Social) para um debate dentro da iniciativa “Câmara Aberta”.

 

Ora, para quem não sabe o que é esta iniciativa (nem eu sabia dela!) a “Câmara Aberta” foi organizada no intuito do Presidente da nossa Câmara Municipal de Matosinhos se deslocar às escolas do seu concelho de modo a contactar com os jovens e de modo a esclarecer as suas dúvidas.

 

Bem eu já tinha contactado com o presidente, aquando da entrevista para um jornal da minha antiga escola, mas digo-vos que este debate ultrapassou por completo as minhas expectativas.
Eu sabia que Narciso Miranda era (e é!) uma pessoa bastante comunicativa, com um poder enorme no dom da palavra e bastante acessível.

 

O debate foi aberto pela nossa presidente do Conselho Executivo que agradeceu imediatamente a presença de todos e a ajuda que a Câmara tem prestado à nossa escola, seguidamente passou a palavra a Narciso Miranda que, também, agradeceu a presença de todos, apresentou a sua colega vereadora e explicou-nos o que era a “Câmara Aberta”, ficando assim disponível para todas as questões que nós quiséssemos colocar.

 

Numa primeira fase ouviram-se perguntas colocadas por colegas meus, eu optei por limitar-me a ouvir, digamos, que apesar de tudo, senti-me um pouco intimidada, enfim... Estas primeiras questões foram, digamos, de um carácter generalista, falando de pontos como a segurança do município, ou melhor, a falta dela! E também sobre parâmetros ambientais e de transportes, às quais Narciso Miranda respondeu com grande à vontade.

 

Mas eu moro em Custóias e é sobre este assunto que vos quero falar...

Um jovem, colega meu, deu abertura a este tema (sobre a nossa vila), falando do nosso Quartel da GNR, pois não se percebe muito bem o porquê de ainda não ter sido aberto e de certo modo, revela um assunto polémico. Ora, Narciso Miranda esclareceu-nos, dizendo que há uma falta enorme em termos de recursos humanos, um pouco devido ao Euro 2004 que tem solicitado estes para formações no intuito de durante esta iniciativa haver uma maior segurança. Então, conclui-se que o nosso quartel ainda não abriu devido à falta de pessoal especializado.

 

Bem eu não resisti e também coloquei questões sobre Custóias e é claro todas as outras que a minha turma tinha pedido para eu fazer... “ataquei” logo com mais uma questão polémica, que sei que depende muito do Governo, mas eu sempre ouvi dizer “que perguntar não ofende”!

 

Ora, “Sr. Presidente, como justifica o facto de Custóias ainda não ter Centro de Saúde?”, todos sabemos que o da Sra. Da Hora alberga muita gente de diversas zonas e que “já não tem mãos a medir”... Bem, o Governo abriu concurso o ano passado para dois projectos de Centros de Saúde, um em Custóias e outro em Leça do Bailio, no entanto, adiou estes planos que já tinham meios para avançar, para construir outros centros de saúde de raiz, sem nada organizado sequer, sem terreno onde os fazer, nomeadamente um deles será em Lavra, ora segundo palavras do nosso presidente “É inadmissível este comportamento do Governo”, acerca das anulações dos dois projectos. Posso ainda adiantar que o nosso centro de saúde já tem projecto realizado e terreno escolhido, terreno da Câmara localizado na Quinta do Vieira, tudo isto no valor de 1 milhão de euros. E porquê na Quinta do Vieira? Aqui vai... Narciso Miranda pertence também à Administração do Metropolitano do Porto e num plano a médio/longo prazo, pensa-se colocar o metro a passar por Custóias e passará junto a esse terreno seleccionado para o Centro de Saúde.

 

Depois dessa pergunta, outras vieram e mesmo sem elas, o debate transformou-se numa pequena e breve conversa sobre a nossa vila. Lembram-se daquele terreno junto à Junta de Freguesia? Que antigamente até era um parque infantil e que agora anda ao abandono, onde se ouvia boatos de que o Centro de Saúde seria aí? Mas depois esses boatos “desceram” um bocadinho a localização e esse mesmo centro seria nos espaços verdes junto à urbanização que tem o court de ténis, mas depois aí foram construídos os bairros camarários... boatos... são mesmo assim! Voltando a esse antigo parque infantil... abrirá brevemente o concurso que irá transformar esse terreno num Centro Cívico de Custóias!! Para além deste projecto o presidente Narciso Miranda mencionou também o projecto de requalificação do Largo de Esposade, apenas mencionou, não o desenvolveu.

 

Voltando ao “centro” de Custóias, agora em termos de acessos... a tão falada IP4 que rasgará Custóias, passando por Matosinhos, Guifões, Custóias (perto da Igreja e perto da Cadeia), por Leça do Balio, pela UNICER, por Ponte da Pedra e por São Mamede de Infesta, no entanto este projecto continua a ser apenas isso: mais um projecto. Juntamente com este nascem outros projectos: a VILPL (Via Interna de Ligação Porto de Leixões) que será construída junto à Estação da CP (ao apeadeiro), num sentido Nascente/Poente e erguer-se-á ao longo do curso do Rio Leça; mas num nó perpendicular ao Bairro Salazar também será construída uma Nova Via – a VRI (via Regional Interna), que ligar-nos-á directamente ao aeroporto.

 

Citando mais uma vez Narciso Miranda e explicando o título desta crónica “Em Matosinhos não se pode fazer demagogia/mentir.”, quem o faz não tem “saída”... se isto é verdade podemos ter a certeza de que todos estes projectos serão realizados e podemos então sonhar com uma “nova” freguesia, completamente transformada... será um dia Custóias elevada a cidade?? Bem deixo-vos com esta pergunta no ar e com o meu desejo de viver até estes projectos se tornarem algo mais que projectos, pois para ser sincera já oiço falar deles desde que tenho 14 anos e posso dizer-vos que desde aí já passaram mais quatro anos e a única coisa que se ergueu foi um Quartel que está vazio e onde só vivem fantasmas e sonhos fantasmagóricos e onde caem por terra muitas ilusões, onde também se calam muitas bocas e onde se abrem outras em modo de reivindicações e de críticas!

 

 

Por: Luísa Borges Repórter do site de Custóias

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003