Balanço: Narciso Miranda insiste na questão

Os centros de saúde são para construir

 

Narciso Miranda, numa conferência de imprensa em jeito de balanço de 2003 e perspectivas para 2004, reiterou a sua vontade em construir os centros de saúde de Leça do Balio e Custóias. E mostrou-se disposto a lutar politicamente por esse objectivo. Isto porque, segundo o autarca matosinhense, a não construção destas duas infra-estruturas só tem explicação se tivermos em conta "questões de ordem política." É que Narciso Miranda não consegue encontrar outro motivo depois de sucessivos ministros da Saúde terem dado luz verde à construção dos dois centros e da Câmara ter procedido a todos os trâmites para que a obra fosse posta em prática. Recorde-se que a autarquia fez projectos, chegou mesmo a executar expropriações litigiosas, foram feitos concursos e apreciadas as propostas. Ao fim de quatro anos, e depois de todas estas etapas, a construção dos dois centros de saúde é chumbada, chegando mesmo a Unidade Local de Saúde a não considerá-los prioritários.

 

Opinião contrária tem Narciso Miranda que colocou os dois centros de saúde na lista de prioridades para 2004 e pelos quais promete continuar a lutar. Isto porque, segundo o autarca, ambos são necessários às populações onde estariam inseridos. "Falem com a população e depois tomem decisões" desafiou o autarca que argumenta que os projectos tinham financiamento de fundos comunitários na ordem dos 80%. Neste sentido, esta decisão só pode ser entendida de uma perspectiva "economicista ou de obediência à tutela."

 

Mais no campo da segurança

 

Narciso Miranda mostrou-se igualmente crítico em relação ao posto da GNR de Custóias. Com a sua abertura, ficarão 24 efectivos em Custóias e outros tantos em Leça do Balio. Para o autarca esta é uma medida que apenas tenta dar uma falsa ilusão à população de que há mais segurança. "Dá para impingir a ideia", salientou o edil matosinhense. No entanto, é preciso fazer mais neste capítulo. E esse mais passa pela construção de postos policiais em Matosinhos e Senhora da Hora, bem como o reforço dos efectivos policiais nas ruas do concelho.

 

Ainda para 2004, Narciso Miranda destacou a construção de mais 523 habitações sociais. Isto depois de um 2003 em que 500 famílias do concelho receberam a chave da sua nova casa. Um ano que terminou com quebra nas receitas de capital da autarquia, resultado das restrições orçamentais impostas às autarquias pelo Governo central. Um ano em que "uma nuvem de dúvida pairou retirando a esperança às pessoas."

 

 

Por: Laura Vieira  in Matosinhos Hoje: edição de 07-01-04

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003