Moradores das Carvalhas querem mais segurança

Semáforos para controlo de velocidade

 

Antes, era o mau estado do piso. Agora, são as altas velocidades. Os moradores das Carvalhas temem pela sua segurança e exigem medidas para acautelar a situação.

 

Os moradores das Carvalhas, Custóias, marcaram presença na última Assembleia de Freguesia local para mostrar o desagrado pelo que está a acontecer na sua zona e exigir medidas para minorar o perigo a que estão sujeitos. Depois de muito tempo a reivindicar o arranjo da rua, uma vez que esta tinha o piso em mau estado, o problema agora é outro. Na realidade, a rua recebeu um tapete de betão que trouxe uma nova imagem à zona. No entanto, o melhoramento do piso fez com que os automobilistas que por ali passam se sentissem mais à vontade para carregar no acelerador.

 

E, queixa-se a população, as velocidades ali atingidas são bem altas. Perante este cenário, os moradores das Carvalhas temem pela sua própria segurança. Já vários animais têm sido atropelados e todos estão a ver quando será a vez de uma pessoa ser colhida pelas viaturas que por ali passam a altas velocidades. Assim, querem medidas restritivas a esta condução perigosa que passem, por exemplo, pela colocação de semáforos limitadores de velocidade. Para além disso, querem que sejam pintadas passadeiras para um atravessamento mais seguro da via. José Tunes adiantou que a colocação de lombas está fora de questão. Para além de não serem legais, colocadas perto das casas, "tira o sossego às pessoas e provoca fissuras nas habitações".

 

Quanto à colocação dos semáforos limitadores de velocidade, o Presidente da Junta de Freguesia de Custóias salientou que estão nos planos do executivo. "Estou convencido que os moradores da Rua da Cal e da Rua da Fonte Velha também vão pedir este tipo de semáforos quando aquelas ruas forem requalificadas." José Tunes afirmou ainda que esta situação acaba por ser um dilema: ou se tem buracos na rua, ou se tem boas vias e depois aparece este tipo de problemas. Mas, no caso das Carvalhas, os trabalhos ainda não estão concluídos e as passadeiras vão ali aparecer brevemente. "Como são obras feitas pela Metro, a Junta não tem qualquer controlo sobre elas. Só pode tentar minimizar o desgaste que elas causam às populações", concluiu o autarca.

 

É o que se tem passado em relação à Estação do Metro de Esposade. A fraca afluência de passageiros fez com que a Metro já por várias vezes tivesse a tentação de encerrar a estação. No entanto, a Câmara Municipal de Matosinhos e a Junta de Custóias têm conseguido contrariar esta ideia. "Esta estação é fundamental para combater o isolamento desta parte da freguesia", salientou José Tunes. É que, com a intensificação das obras, a zona das Carvalhas vai ser afectada no que diz respeito à mobilidade. A Estação do Metro de Esposade pode ser, para muitos, a única alternativa. Daí que o Presidente da Junta de Custóias tenha andado a lutar para que esta estação não encerre.

 

Plano de Actividades para 2006

 

Sendo "o primeiro ano o novo mandato", o plano de actividades para 2006 da Junta de Freguesia de Custóias vai virar-se mais para o seu interior. Ou seja, José Tunes quer que a Junta se modernize de forma a responder mais rápida e eficazmente às necessidades sentidas pela população. Neste sentido, a autarquia local vai investir uma boa parte do orçamento na aquisição de materiais informáticos, viaturas de transporte e de trabalho. "Para sermos eficazes temos de ter as ferramentas" salientou o Presidente da Junta. Mas isso não quer dizer que as obras da freguesia serão esquecidas.

 

Obras que estão a ser mais que muitas, principalmente com as intervenções no âmbito da instalação do Metro e do IP4. No entanto, José Tunes mostrou-se satisfeito por algumas obras já começarem a dar resultado. São disso exemplos a Fonte do Cuco, a Rua Teixeira Lopes e na zona do antigo apeadeiro de Custóias. E as obras vão continuar no terreno. "Não foi por terem passado as eleições que as obras pararam em Custóias." O Plano e Orçamento para 2006 acabou por ser aprovado com os votos favoráveis das bancadas do PS, CDU e Bloco de Esquerda, tendo a Coligação Matosinhos Feliz optado por votar contra os documentos.

 

 

Por: Laura Vieira in Matosinhos Hoje edição de 04-01-06

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003