Apresentação dos novos símbolos heráldicos da vila

Custóias virada para o futuro

 

O atraso na abertura do quartel da GNR e a recusa da construção do centro de saúde por parte do Governo fizeram parte dos discursos de apresentação do novo brasão da vila de Custóias. Na cerimónia notou-se a ausência dos deputados do PSD e PP da assembleia de freguesia local.

 

No ano passado a Assembleia da República decretou a elevação de Custóias à categoria de vila. Aproveitando as comemorações dos trinta anos do 25 de Abril, a junta de freguesia deu a conhecer, no sábado, os novos símbolos heráldicos. O brasão passa a conter quatro castelos que simbolizam a vila.

 

A cerimónia contou com a presença de Narciso Miranda, autarcas do concelho, representantes das colectividades e das entidades oficiais, bem como de Honório Novo e Paula Cristina Duarte, deputados da Assembleia da República da CDU e PS, respectivamente, que apresentaram as propostas para a elevação. Os únicos ausentes foram os deputados da coligação da direita «Matosinhos Melhor» com assento na assembleia de freguesia.

 

Numa alusão ao 25 de Abril Honório Novo homenageou os militares que "tiveram a coragem de dizer não e de romper com um passado que asfixiava os portugueses". Além disso, explicou que apresentou a proposta-lei uma vez que esta ia "de encontro à aspirações da população". No final o deputado lançou um repto aos custoienses para que participem no processo final de elaboração do traçado do IP4, tendo em conta que será uma via "que marcará o desenvolvimento futuro de Custóias".

 

Na sua intervenção, Paula Cristina Duarte admitiu que a Revolução dos Cravos contribuiu para o desenvolvimento da vila. "O desenvolvimento que hoje se respira em Custóias deu-se graças à evolução política, económica e social resultante do 25 de Abril", sublinhou. Para a deputada do PS, os custoienses têm, agora, um novo desafio. "É preciso lutar para que o quartel abra as portas, para que o centro de saúde seja construído e para que o IP4 e a VRI sejam uma realidade".

 

Projectos futuros

 

No seu discurso, Narciso Miranda, presidente da câmara municipal, fez uma síntese da evolução do concelho após a revolução, não esquecendo os projectos futuros, como a construção do centro cívico, da nova igreja, a abertura do quartel da GNR e a construção do centro de saúde. "Fazer Abril é reivindicar aquilo que é justo para melhorar a qualidade de vida das pessoas", disse.

 

Poder local

 

José Tunes, presidente da Junta de Custóias, explicou que o executivo integrou a apresentação do novo brasão da vila nas comemorações dos trinta anos do 25 de Abril "porque foi com a revolução que nasceu o poder democrático local". Na sua intervenção, o autarca agradeceu a todos os intervenientes no processo de elevação de Custóias ao mesmo tempo que criticou o atraso na abertura do quartel da GNR e do recuo governamental em relação à construção do centro de saúde. "Os custoienses não vão baixar os braços a tamanha injustiça", asseverou.

 


 

A saber…

Brasão da Vila

 

Durante a sua intervenção, Narciso Miranda explicou o significado dos elementos que integram o brasão da vila de Custóias. Na base, as ondulações representam o Rio Leça; no meio está a ponte de Goimil, o monumento mais importante da vila. Além destes elementos o brasão custoiense contém a Cruz dos Hospitalários, numa alusão ao passado quando esta ordem tinha a sua sede no Mosteiro de Leça do Balio. No topo aparecem os quatro castelos que representam a elevação a vila. No final da cerimónia, os elementos do executivo da junta de freguesia entregaram várias lembranças aos convidados que incluíam medalhas com o novo brasão. As festividades terminaram à noite com uma actuação musical e um espectáculo de fogo de artifício.

 

 

Por: Pedro Miguel Rodrigues in O Primeiro de Janeiro edição de 28-04-04

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003