Leça do Balio: Num debate sobre segurança, Guilherme Pinto alerta

"Se a população não berrar... não haverá quartel"

 

O Comandante do Grupo Territorial nº4 da GNR afirmou, num debate dedicado à segurança, que o posto da sua força policial que está sedeado em Leça do Balio não irá fechar com a inauguração do posto de Custóias. "Com os dois postos será aumentado o número de efectivos", salientou o Comandante Rodrigues. Um aumento que vai, no entanto, ser condicionado com a gestão de efectivos que se fará no âmbito da cobertura policial do Campeonato da Europa de Futebol: Euro 2004. Uma notícia que não impediu uma intervenção crítica feita por Guilherme Pinto. O Vereador da Câmara Municipal de Matosinhos salientou que o actual problema de segurança sentido no concelho se prende, essencialmente, com a falta de condições dos agentes que aqui actuam. "O posto de Custóias é um escândalo estar fechado.

 

Ainda maior é o de Leça do Balio não estar em construção. São contractos em papel que não estão a ser executados no terreno. É um escândalo a denunciar." Guilherme Pinto reiterou mesmo que desconfiava que era por "partidarismo que o Governo deixou cair uma série de infra-estruturas importantes. Se a população não berrar bem alto contra a incompetência do Governo, não vai haver quartel em Leça do Balio." E o Vereador sustenta a sua opinião nos últimos ecos que a autarquia matosinhense tem recebido de Lisboa sobre a construção do novo quartel da GNR baliense. "As últimas informações dadas eram as de que andariam a questionar a GNR sobre se era ou não necessária a construção deste novo quartel." Guilherme Pinto mostrou-se igualmente indignado com a permanência da GNR na Quinta da Conceição. "É inadmissível. A autarquia até cedeu o terreno para a construção do novo quartel e nada." Questões levantadas num debate sobre segurança organizado pela Junta de Freguesia de Leça do Balio e que se realizou na passada sexta feira. Presentes estiveram os principais representantes dos Bombeiros Voluntários de Leça do Balio, Polícia Municipal de Matosinhos, GNR e Câmara Municipal.

 

Das várias intervenções salienta-se a de Rogério Seabra. O Comandante dos Bombeiros balienses deu a conhecer um pouco da forma de intervenção dos seus homens em caso de sinistros e esclareceu a forma como muitas vezes têm de se articular com outras organizações para ocorrerem a sinistros de maior gravidade. Rogério Seabra lamentou também as dificuldades em testar no terreno a interacção entre estes vários agentes da Protecção Civil. Quanto a Guilherme Pinto defendeu uma coordenação a nível distrital da Protecção Civil como forma de colmatar a falta de coordenação que por vezes se sente quando é necessário actuar em conjunto num sinistro de maior dimensão. Quanto à Polícia Municipal, que tutela, os objectivos mais próximos passam pela construção das instalações para aquela força policial, dotá-la de mais meios e aumentar o seu número de efectivos.

 

 

Por: Laura Vieira in Matosinhos Hoje edição de 03-03-04

 

 

Voltar atrás

 

Webmaster: Hugo Costa 2003